IPÊ promove Simpósio em Conferência Internacional de Restauração Florestal

 

A equipe do projeto Corredores da Mata Atlântica participa até o dia 01 de setembro do Congresso Internacional da Sociedade de Restauração Ecológica (SER 2017), em Foz do Iguaçu (PR). Dia 31 de agosto, o IPÊ promove no evento o Simpósio “Desenvolvimento Tecnológico para Valorização dos Serviços de Ecossistemas e Capital Natural em Projetos de Restauração” (“Technology Development for Valuing Ecosystem Services and Natural Capital in Restoration Projects”).

Serão discutidas as novas tecnologias para avaliar o capital natural do corredor ecológico plantado pelo IPÊ no Pontal do Paranapanema. O corredor é o maior de floresta restaurada na Mata Atlântica do Brasil. Durante 15 anos, 12 km de árvores nativas foram plantadas ligando duas das principais Unidades de Conservação na região Oeste do Estado de São Paulo: o Parque Estadual Morro do Diabo e a Estação Ecológica Mico Leão Preto.

O IPÊ vai apresentar a avaliação dos serviços ecossistêmicos proporcionados pelo corredor nas áreas plantadas em parceria com a CTG Brasil (antiga Duke Energy), onde estão sendo medidos seus benefícios para a biodiversidade, sequestro de carbono e qualidade do solo e da água. Usando as tecnologias do Lidar para estimar a biomassa, as armadilhas de câmeras e a análise da paisagem sonora para a biodiversidade, além dos sensores automatizados para a modelagem da qualidade da água, a equipe de pesquisa está desenvolvendo uma metodologia abrangente para estimar o capital natural das florestas. O objetivo é gerar um toolkit que pode ser aplicado em várias áreas e contextos para quantificar os benefícios de conservação da restauração.

No simpósio, serão abordados dois temas principais:

"Novas abordagens para monitorar os efeitos do reflorestamento da vegetação ripária na qualidade da água".

"Corredores para quem: soluções tecnológicas para o monitoramento da biodiversidade em iniciativas de reflorestamento".

http://ser2017.org/