Começar

Conservação da
biodiversidade

Conservação da biodiversidade

Pesquisa científica e inovação socioambiental. Ações de impacto com participação comunitária e educação na Mata Atlântica, Amazônia, Pantanal e Cerrado.

NOSSOS PROJETOS
Conhecimento
transformador

Conhecimento transformador

Na ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, compartilhamos conhecimento e formamos líderes para a conservação e desenvolvimento sustentável.

VER CURSOS
Doe agora

Doe agora

Você faz toda a diferença para a proteção da biodiversidade brasileira. Seja um doador do IPÊ e faça parte da transformação da realidade socioambiental.

DOE AGORA
Jane Rodrigues Vasconcelos de Araujo - coordenadora de cursos da ETEC

No Pontal do Paranapanema, uma parceria do IPÊ com a ETEC Centro Paula Souza de ensino leva aos alunos do curso técnico em Agroecologia, uma vivência prática sobre o universo dos viveiros e mudas e dos sistemas agroecológicos. Em 2013, o Instituto promoveu o Curso de Viveiros para 21 jovens alunos da turma descentralizada da escola de um assentamento rural, Gleba XV de Novembro, no município de Rosana. Jane Rodrigues Vasconcelos de Araujo, coordenadora de cursos da ETEC, conta que a parceria com instituições locais que atuam com agroecologia, como o IPÊ, é de grande importância para os alunos da escola, inclusive dos assentamentos.

“Nosso trabalho tem uma agenda curricular a ser cumprida e o IPÊ chega para ajudar nisso. Como o instituto tem uma experiência importante na parte prática de atuação em campo, os alunos se encantam com a possibilidade de trabalhar com agroecologia e conseguem praticar o que veem na sala de aula, na prática com os técnicos do IPÊ. Isso ajuda a assimilar muito mais, e é uma oportunidade que eles têm de relacionamento com profissionais da área”, conta.

Um dos objetivos do curso de Agroecologia do Centro Paula Souza é despertar nos jovens o interesse pelo tema e fazer com que eles queiram desenvolver práticas no próprio lote onde moram. “Esse aprendizado sobre a terra, uma agricultura menos invasiva e que atue em consonância com o meio ambiente, deve ser estimulada. Ver de perto como se faz compostagem, como se desenvolve um viveiro de mudas, entre outras atividades agrícolas, contribui com o jovem para que ele veja que há um horizonte de permanência para ele no seu lote, ou no lote dos pais. Isso aproxima ele da terra e vemos que alguns deles querem continuar e cursarem até mesmo faculdade na área”, completa.