Começar

Conservação da
biodiversidade

Conservação da biodiversidade

Pesquisa científica e inovação socioambiental. Ações de impacto com participação comunitária e educação na Mata Atlântica, Amazônia, Pantanal e Cerrado.

NOSSOS PROJETOS
Conhecimento
transformador

Conhecimento transformador

Na ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, compartilhamos conhecimento e formamos líderes para a conservação e desenvolvimento sustentável.

VER CURSOS
Doe agora

Doe agora

Você faz toda a diferença para a proteção da biodiversidade brasileira. Seja um doador do IPÊ e faça parte da transformação da realidade socioambiental.

DOE AGORA

destaque

Projeto Tatu-Canastra

O tatu-canastra (Priodontes maximus) é a maior de todas as espécies de tatus existentes. Seu tamanho pode chegar  a um metro e meio de comprimento (do focinho à cauda) e mais de 50 quilos. Mesmo com esse tamanho e ampla distribuição por praticamente toda a América do Sul, é uma espécie pouco conhecida. Desde 2010, o projeto Tatu Canastra (realizado pelo IPÊ e The Royal Zoological Society of Scotland)busca levantar mais informações a respeito dessa espécie, seu comportamento e história natural, para a sua proteção.

Existem 21 espécies de tatus, e são apenas encontradas no continente americano. As mais conhecidas no Brasil são o tatu-peba, tatu-galinha e tatu-bola. Eles possuem em comum o fato de terem o corpo coberto de escamas e o dorso por uma carapaça. Esta recobre todo o dorso do animal, do pescoço à base da cauda, e tem como função principal proteger o corpo em contato com o solo e de ataque de predadores. Na porção média do corpo, o número das “bandas ou cintas” transversais pode variar conforme a espécie.

O tatu-canastra (Priodontes maximus) é a maior de todas as espécies de tatus existentes. Seu tamanho pode chegar  a um metro e meio de comprimento (do focinho à cauda) e mais de 50 quilos. Mesmo com esse tamanho e ampla distribuição por praticamente toda a América do Sul, é uma espécie pouco conhecida. Ele está ameaçado pela perda de seus hábitats naturais, como também pela caça e pelos atropelamentos nas rodovias. Daí a sua classificação como vulnerável pela lista vermelha de espécies ameaçadas da IUCN – União Internacional para Conservação da Natureza.

Desde 2010, o projeto Tatu Canastra (realizado pelo IPÊ e The Royal Zoological Society of Scotland) busca levantar mais informações a respeito dessa espécie, seu comportamento e história natural, para a sua proteção. Os trabalhos foram iniciados no Pantanal e, em 2014, as pesquisas expandiram-se também para o Cerrado do Mato Grosso do Sul.

O projeto de longo prazo conta com auxílio de ferramentas como radiotransmissores, armadilhas fotográficas, para fazer o levantamento e pesquisa das tocas do tatu, monitoramento de indivíduos e mapeamento da área em que ele vive. O trabalho é orientado em diferentes frentes: Pesquisa (Ecologia e Epidemiologia); Treinamento e Capacitação; Planejamento de ações regionais e Comunicação. Nesta última, variadas ações buscaram tornar públicos os dados do projeto, e levar conhecimento sobre os tatus-canastra a um número cada vez maior de pessoas.

 

Algumas notícias e conquistas do projeto:

Câmeras do projeto Tatu Canastra flagram mais um filhote no Pantanal

Pesquisador do projeto Tatu-Canastra ganha Oscar da Conservação Mundial

Pesquisador do IPÊ recebe prêmio "Guerreiro da Vida Selvagem" do Houston Zoo

Fotos de pesquisa do Tatu estão entre as melhores do ano em concurso da BBC Wildlife

Estudo no Pantanal (MS) revela papel do tatu-canastra como “engenheiro do ecossistema”

Projeto busca apoio da comunidade para encontrar tatus no cerradoCampanha "Tem Tatu Aqui", em parceria com a SZB, chama a atenção para os tatus do Brasil

 

Levantar informações a respeito do tatu-canastra, seu comportamento e história natural, para a sua proteção nos biomas Pantanal e Cerrado.

 

Arnaud Desbiez - coordenador
Danilo Kluyber - veterinário
Gabriel Massocato - biólogo
Bruna Oliveira - bióloga