Monitores são capacitados para uso de armadilhas fotográficas na Flona do Jamari

 

Conservação da Biodiversidade, Características da Floresta Nacional (Flona) do Jamari, Procedimentos de Segurança em Campo, Uso de GPS e Manuseio de Armadilhas Fotográficas. Todos esses temas fizeram parte de mais uma capacitação promovida pelo IPÊ, por meio do projeto Monitoramento Participativo de Biodiversidade, em parceria com o ICMBio.

O curso Capacitação de Monitores no Protocolo Complementar aconteceu de 6 a 10 de agosto, na Flona Jamari, em Rondônia, para preparar monitores locais na realização de coleta de dados do monitoramento da biodiversidade nesta Unidade de Conservação. Ao todo, dezoito pessoas participaram das aulas e estão aptas agora a aplicar o protocolo complementar para o monitoramento. Os protocolos são estabelecidos para facilitar o levantamento de informações e para que elas sirvam efetivamente para a conservação da biodiversidade local.

O uso de armadilhas fotográficas é uma estratégia de monitoramento presente no protocolo da Flona Jamari. A partir dos dados levantados por câmeras é possível compreender melhor os efeitos da exploração madeireira sustentável no grupo dos mamíferos de médio e grande porte e aves cinegéticas.

Segundo a aluna Stéfany Ancker, do Instituto Federal de Rondônia (IFRO), o curso serviu para que ela pudesse aprofundar os conhecimentos sobre GPS e armadilhas fotográficas. “Foi um privilégio participar do curso e poder contribuir de alguma forma com monitoramento da biodiversidade. A didática foi excelente porque, o tempo todo houve interatividade de ambas as partes, e o mais importante, fizemos grandes amizades e trabalhamos em equipe”.

A colaboradora Kamila Miranda destacou ainda que foi para o curso com os objetivos de adquirir e compartilhar conhecimentos, além de conhecer e estreitar os laços de amizade com os demais monitores. “Alcancei esses objetivos e muito mais, pois me surpreendi com a didática dos instrutores e a forma como o curso foi conduzido. Separar esse módulo foi muito mais produtivo pois tivemos tempo e 'coragem' pra tirar dúvidas que nos cursos passados não foi possível. Tivemos mais práticas e assim a segurança de ir a campo também aumenta”, afirmou.

O treinamento foi realizado pelos consultores locais do IPÊ Paulo Henrique Bonavigo e Camila Moura Lemke, além do Analista Ambiental da Flona, Samuel dos Santos Nienow. O projeto Monitoramento Participativo de Biodiversidade é apoiado por USAID, Gordon and Betty Moore Foundation e Arpa.