Comunidade da Amazônia monitora impacto do manejo de madeira na fauna da Flona Jamari

 

A Floresta Nacional (FLONA) do Jamari fica em Rondônia e seus 220 mil hectares protegem a fauna e a flora de uma área especial da Amazônia. Ali, em uma ação pioneira no Brasil, foram concedidos 96 mil hectares à exploração manejada de madeira. Por meio de um edital, , as empresas AMATA e MADEFLONA receberam a concessão dessa exploração madeireira, de forma sustentável. O restante da Flona é dividido em áreas de concessão para mineração, áreas de conservação, onde não há uso direto, e ainda permite a permanência de uma família de moradores tradicionais.

Mesmo que a exploração madeireira seja feita de maneira adequada e controlada, é necessário compreender os impactos dessa atividade para a vida da fauna nessa Unidade de Conservação. Para isso, o IPÊ desenvolve junto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a comunidade e os parceiros locais, o projeto Monitoramento Participativo da Biodiversidade. O trabalho acontece há mais de cinco anos, promovendo a troca de conhecimentos entre técnicos e comunidades e o desenvolvimento de atividades de formação e capacitação de monitores da floresta. Contando com o apoio de parcerias locais: Ação Ecológica Guaporé – ECOPORÉ, Centro de Estudos Rioterra, Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Instituto Federal de Rondônia – IFRO, Madeflona, Amata, Metalmig, Estanho de Rondônia – ERSA (CSN) e BRASCAN.

Com cursos e workshops sobre aplicação dos protocolos de monitoramento, cerca de 100 pessoas já foram capacitadas como monitores para a coleta de dados sobre biodiversidade, que inclui, acompanhar mamíferos e aves cinegéticas (que correm risco de caça), borboletas frugívoras e plantas lenhosas.

No protocolo da Flona Jamari, por exemplo, uma das estratégias para monitoramento é o uso de armadilhas fotográficas (cameras trap). A partir das imagens geradas pelas câmeras é possível coletar dados que ajudam a identificar os efeitos da exploração madeireira sustentável no grupo dos mamíferos de médio e grande porte e das aves cinegéticas.

Neste video, é possível conhecer mais de perto esse trabalho, que conta com apoio de Gordon and Betty Moore Foundation, USAID e Programa ARPA.