Levantamento do IPÊ mapeia empreendimentos socioambientais na Amazônia, dentro da RDS Puranga Conquista
Levantamento do IPÊ mapeia empreendimentos socioambientais na Amazônia, dentro da RDS Puranga Conquista

Fernanda Fredda equipe IPE visita indigenasO projeto Navegando Educação Empreendedora na Amazônia foi iniciado em setembro de 2021, com o objetivo de apoiar empreendimentos e cadeias de valor da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Puranga Conquista, no Amazonas. Em parceria com o LinkedIn e apoio do LIRA/IPÊ* – Legado Integrado da Região Amazônica, o trabalho visa despertar uma visão sistêmica sobre a importância do uso sustentável da biodiversidade e a conservação das florestas em pé.

Nos meses de setembro e outubro de 2021, os pesquisadores do IPÊ realizaram um amplo mapeamento dos empreendimentos comunitários nas 17 comunidades que compõem a RDS, a fim de nortear a atuação do projeto junto aos empreendedores. O projeto acontece com suporte do Maíra I, o barco escola do IPÊ, doado pelo Grupo Martins em 2002. 

No levantamento, os pesquisadores destacam a grande influência da cadeia do turismo e do artesanato na região, como atividade de geração de renda para as comunidades locais. As atividades estão associadas com outras duas cadeias, a pesca e a agricultura, que aparecem frequentemente como produtos da sociobiodiversidade comercializados durante visitas turísticas.

A pesca é atividade de subsistência da maioria das famílias (106) e influencia na renda de 14 das 17 comunidades da RDS. Já a agricultura é atividade de 105 famílias de 13 comunidades e vai além da subsistência, já que os produtos são comercializados e geram renda.

O artesanato é praticado em 14 comunidades. Do total de 79 famílias, 69 delas têm a atividade como fonte de renda. A atividade é parte da cultura local, seja nas peças de adornos ou de utensílios para atividades cotidianas. Já o turismo é a quarta atividade que mais se destacou nesse levantamento: 73 famílias de 14 comunidades responderam que trabalham nessa atividade, embora somente 37 famílias afirmam ter renda mensal a partir dela.

Extrativismo madeireiro, criação de animais, coleta de extratos vegetais, culinária, cadeia de cosméticos naturais e corte e costura também apareceram como atividades locais, mas em menor quantidade.

Desafios e oportunidades

Nailza Pereira PortoNa Amazônia, há inúmeras oportunidades de geração de renda e qualidade de vida, através da reestruturação dos agentes econômicos, de produtos e serviços da sociobiodiversidade. Atualmente, os entraves logísticos, tecnológicos, organizacionais e produtivos, remetem a produtos e serviços de elevado “custo transacional”. Ou seja, as cadeias de valor da sociobiodiversidade falham tanto no trânsito de bens e serviços, como na sua exposição aos consumidores potenciais.

“Esse levantamento nos dá um panorama sobre as principais atividades onde os empreendedores estão colocando seus esforços. Todas as comunidades da RDS têm potencial para o desenvolvimento das cadeias de valor levantadas. Com a pandemia da COVID-19 a economia local dessas comunidades ficou ainda mais fragilizada, sendo importante um olhar ainda mais eficiente para mitigação de impactos negativos e superação de eventos extremos. Queremos agora estruturar um planejamento para que possamos apoiar e ajudar a alavancar esses empreendimentos, sempre com o olhar da conservação socioambiental como prioridade”, destaca Nailza Pereira Porto, coordenadora geral do projeto (foto).

O turismo foi um dos setores mais impactados pela pandemia da COVID-19, e o turismo de base comunitária foi afetado diretamente com o fechamento das áreas protegidas para visitação, por conta do cenário pandêmico. Além disso, segundo o levantamento, alguns dos pontos relevantes para o desenvolvimento de estratégias de apoio são, por exemplo, o desafio do escoamento dos produtos da agricultura, a regularização e organização social das associações de agricultores, pescadores, artesãos e turismo.

“Sem dúvida, o artesanato e o turismo, são as atividades já melhor estruturadas com relação à infraestrutura e pessoas capacitadas para as atividades. Ou seja, já fazem parte de uma rotina com fluxo de visitação regular, já oferecem serviços de alimentação, infraestrutura de restaurantes e pousadas, passeios de barco, trilhas na selva e acampamento noturno na floresta”, conta Fernanda Freda, coordenadora executiva do projeto.

Como primeira atividade de apoio aos empreendimentos, o IPÊ realizou Curso de Protocolo de Biossegurança para Empreendimentos e Atrativos Turísticos, contribuindo para um retorno seguro das atividades após reabertura da RDS para visitas.

*O LIRA/IPÊ tem financiamento do BNDES e de Gordon and Betty Moore Foundation.