Jovens criam rede e buscam formação política para atuar na Amazônia
Jovens criam rede e buscam formação política para atuar na Amazônia

Indígenas, ribeirinhos, extrativistas e ativistas fazem curso para melhorar o entorno e trazer desenvolvimento sustentável para o local onde vivem

Como melhorar o lugar de onde se tira o sustento e desenvolvê-lo de forma sustentável? Em busca dessas respostas, indígenas, ribeirinhos, extrativistas e ativistas deram início ao curso Formação de Jovens Lideranças Transformando Territórios Amazônicos. O Seminário de Abertura aconteceu no início do mês (03 a 05 de junho), de maneira presencial, em Manaus e abordou o tema Ciência Política e Histórias das Ocupações da Amazônia. Depois serão mais sete módulos virtuais e como resultado final os alunos irão elaborar um plano de ação para seus territórios. O curso é uma iniciativa do LIRA- Legado Integrado da Região Amazônica, projeto do IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas.

“Como jovens futuros líderes, precisamos falar de política, porque ela está dentro de nós e é através dela que vamos trabalhar para o bem comum e buscar a nossa felicidade em nome do nosso povo. Representando minha comunidade, Paiter-Suruí, fico muito feliz em ter essa oportunidade de conhecer e aprender uns com os outros. É um momento muito importante”, diz Naraiamat Surui, da aldeia Paiter, coordenador do Centro das Plantas Medicinais Olawatawah e participante do curso.

Estimular a formulação de políticas públicas efetivas que tragam impactos positivos frente às causas e direitos defendidos por indivíduos, organizações ou grupos, é uma prática do sistema democrático chamada de incidência política ou, no termo em inglês, advocacy. Para que seja exercida de maneira plena, é preciso ter uma base de conhecimento e informações, inclusive sobre a legislação, relacionados ao tema.

Segundo Fabiana Prado, coordenadora do LIRA, fortalecer a compreensão política dos jovens sobre a importância das áreas protegidas, biodiversidade e floresta é uma questão central para o desenvolvimento sustentável e a conservação da floresta. “O curso foi construído para atender à necessidade de qualificar a atuação do jovem para o advocacy na agenda socioambiental. Já vínhamos apoiando redes de juventude da região com os projetos das Soluções Integradas do IPÊ e com o LIRA entendemos que poderíamos começar a desenhar esse processo de formação política”, diz.

Alzerina Mercado Joaquim, da Associação Primavera - RESEX Estadual Rio Pacaas Novos, Rondônia, acredita que a produção de informação desqualificada, as chamadas fake news, dificulta a luta política no território, mas o acesso à internet possibilita a disseminação do que realmente acontece na comunidade. “O acesso à internet nesses espaços foi e está se tornando uma revolução, porque a partir do momento em que eu, dentro do meu território consigo filmar e expor o que é que está acontecendo aqui dentro, como no caso dos jovens comunicadores indígenas, a gente consegue levar uma informação mais verdadeira”, conta.

“O processo de sucateamento da saúde e educação também é uma forma de nos matar. Também é uma forma de genocídio contra os nossos povos. O que a gente precisa é construir políticas afirmativas para a gente entrar, permanecer, se formar e levar essa informação para dentro de nossas comunidades. Precisamos ocupar esses espaços de poder político, se não, nossas pautas não serão levantadas”, afirma Mayara Pereira Batista, do Movimento dos Estudantes indígenas do Amazonas.

Fabiana conta que os primeiros dias de curso foram bastante produtivos e promissores. “A ideia é conectar jovens formando uma rede e construir saberes para atuação dentro das diferentes instâncias de incidência política nos temas de governança, biodiversidade e gestão de territórios, além de trazer conteúdo para o domínio da linguagem jurídico-administrativa e percebemos, já nesse início de curso, que a vontade de conhecimento e atuação é imensa”, afirma Fabiana Prado.