Professor visitante da ESCAS publica artigo sobre extração ilegal de madeira na Amazônia Peruana

O site Scientific Report publicou hoje, 17/04, um artigo com a participação de Clinton Jenkins, professor visitante da ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade, sobre uma crise de extração ilegal de madeira que ocorre atualmente na Amazônia Peruana. http://dx.doi.org/10.1038/srep04719

Jenkins e um grupo de pesquisadores descobriram que 68% das concessões oficialmente inspecionadas pelo governo peruano estão canceladas ou sob investigação por graves violações dos regulamentos florestais. Além disso, a natureza das violações indica que as licenças associadas com concessões legais são utilizadas para coleta e transporte de árvores em áreas não autorizadas na Amazônia peruana.

A Amazônia peruana é uma arena global importante quando se trata de promover a exploração madeireira sustentável. Apesar dos esforços para alcançar a sustentabilidade, incluindo uma Lei Florestal moderna e um importante anexo Florestal no Acordo EUA-Peru de Promoção Comercial, a extração ilegal de madeira continua a assolar a região. Estes instrumentos reformaram o sistema legal de registro de concessão - o que permite que o governo peruano conceda contratos de longo prazo para os direitos de exploração em áreas específicas de terra pública. Atualmente, há 609 concessões madeireiras na Amazônia peruana.

Os resultados derivam da análise de nove anos de informações oficiais do OSINFOR, o órgão de fiscalização no Peru, que realiza inspeções pós-registro. Na maioria das concessões inspecionadas, OSINFOR documentou: a extração de madeira fora dos limites de concessão, extração ou transporte de madeira ilegal, não-conformidade com os planos de gestão e apresentação de informações falsas ou incompletas.

Muitas das violações referem-se à extração ilegal de espécies ameaçadas de cedro que estão listados no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES), que visa garantir que o comércio internacional de espécies não ameace a sua sobrevivência.
Através da análise dos relatórios de concessões inspecionados, o estudo constatou que donos de concessão da exploração madeireira geralmente indicam a presença de madeira abundante, especialmente cedro, no seu plano de gestão e, em seguida, afirmam que a autorização ocorreu. No entanto, quando OSINFOR eventualmente inspeciona área de concessão, pode-se avaliar que as informações contidas no plano de gestão eram falsas, porque não existem tocos das árvores supostamente colhidas.

"Apesar de importantes reformas, grande parte da madeira que sai da Amazônia peruana é ainda provavelmente originada de fora das áreas de concessão autorizadas. Mais reformas e aplicação de regulamentos são, obviamente, ainda necessários", afirma Clinton Jenkins.
Confira o artigo completo, em inglês: http://dx.doi.org/10.1038/srep04719